APPDA Residence - PMA
745
portfolio_page-template-default,single,single-portfolio_page,postid-745,language-fr,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_over_content,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.4,vc_responsive

APPDA Residence

Pretendeu a APPDA, localizar no terreno que lhe foi cedido pela Câmara Municipal de Lisboa o seu Centro e os Lares a que este projecto diz respeito.

O edifício do Centro será localizado tão a Norte quanto o limite da zona « non aedificandi » o permite, prevendo-se que seja constituído, basicamente, por três corpos.

O edifício destinado aos lares implantar-se-á no lado Poente do terreno, em posição que orienta a maioria dos quartos e salas a Sudeste.

O presente projecto contempla a criação de quatro lares, agrupados em dois blocos, de r/chão e primeiro andar, servidos por escada comum.

Pretende-se que cada lar constitua como que uma moradia autónoma. Por esta razão, os do r/chão têm porta directa para o terreno, que será comum aos lares e ao Centro; os do primeiro andar funcionarão de modo idêntico, utilizando a escada.

Não se prevendo movimento entre lares, mas apenas entre cada um e o exterior, a escada foi considerada como exterior, pelo que não foi encerrada por construção.

Cada lar, concebido para um número reduzido de utentes que nele terão a sua residência permanente, disporá de cinco quartos e de instalações comuns envolvendo sala de estar e de refeições, cozinha e despensa, arrecadação e instalações sanitárias.

Embora estes lares fiquem integrados no mesmo terreno onde se pretende construir o Centro de Apoio, deverão permitir um funcionamento totalmente autónomo. Para isso, cada um deverá ter cozinha própria, pois, tanto os actuais centros de apoio como o que lhes sucederá previsto para o mesmo terreno, apenas fornecerão almoços, devendo as restantes refeições serem preparadas nos lares.

As instalações sanitárias foram concebidas tendo em conta estes condicionalismos, separando-se as retretes dos balneários; para estes últimos prevêem-se tinas de chuveiro e uma banheira, que a experiência tem demonstrado ser necessária.

 

Dono de Obra:

APPDA – Associação Portuguesa de Protecção aos Deficientes Autistas

Localização:

Alto da Ajuda – Lisboa

Área de Construção:

700 m²

Projecto:

1992

Conclusão da Obra:

1992

Programa:

Projecto para as Instalações de quatro residências para deficientes autistas no terreno do Alto da Ajuda.

Equipa:

Arquitectura

– Manuel Cottinelli Telmo Pardal Monteiro – Arquitecto

– João Cottinelli Telmo Pardal Monteiro – Arquitecto

– António Pedro Batista Pardal Monteiro – Arquitecto

– Amadeu Lourenço

– João Sobral Otero

– Rodrigo Moutinho

Fundações e Estrutura

– Paulo Reis – Engenheiro

Instalação e Equipamentos de Águas e Esgotos

– Grade Ribeiro – Engenheiro

Instalações e Equipamentos Mecânicos

– GPF – Grupo Português de Frio

Instalação e Equipamentos Eléctricos e de Telecomunicações

– GPF – Grupo Português de Frio

Category

ÉDUCATION, CULTURE ET ENQUÊTE