O edifício está inserido na Zona de Saúde, no Parque das Cidades, Loulé / Faro.

A forma do terreno é aproximadamente um trapézio rectangular orientado a Poente, com 197.5m de comprimento médio por uma largura de 108.9m.

Obviamente, houve que conjugar estes aspectos com a funcionalidade e o respeito das aspirações contidas no programa.

As instalações dos Laboratórios situam-se em dois pisos, com forma rectangular, em que o piso superior é integralmente ocupado pelos laboratórios, e o piso inferior ocupado pelos serviços de apoio, administração e atendimento a pessoas estranhas aos serviços.

Abaixo destes pisos, e independente dos serviços do Laboratório, foi criada uma cave destinada a armazéns gerais da ARS do Algarve.

Acima do Laboratório temos um piso técnico, destinado a conter as instalações técnicas que equipam o imóvel e que tem uma área coberta muito reduzida, dado que a maior parte das instalações fica a céu aberto, apenas envolvidas por uma grelha que as encobre da visibilidade exterior.

A distribuição dos serviços no Rés-do-chão é de grande simplicidade. A partir da entrada principal temos, à direita, os serviços administrativos e o acesso ao piso superior. À esquerda, os serviços de recepção de amostras e colheitas e a cafetaria, gozando estas instalações de uma localização de certo modo autónoma que garante completa independência entre estes serviços e os laboratórios.

No piso superior são os laboratórios de Microbiologia e de Físico-Química, perfeitamente diferenciados. Como medida de segurança, ambos os laboratórios dispõem de saídas de emergência próprias, localizadas nos extremos opostos ao acesso através da entrada principal, e com ligação, através de uma galeria, a uma escada de emergência exterior.

Duma maneira geral, a fenestração abrange toda a extensão das fachadas, permitindo uma satisfatória iluminação natural

Para obviar aos graves inconvenientes da penetração excessiva da radiação solar directa, o plano dos vidros encontra-se recuado relativamente ao plano da fachada, o que dá lugar a um balanço que constitui como que pala de sombreamento. Complementarmente, previu-se a colocação de estores exteriores reguláveis, que constituem protecção contra a penetração da radiação tanto luminosa (espectro visível) como da de infravermelhos.

voltar a edifícios públicos

 

 

1

contactos

projectos

Laboratório Regional de

Saúde Pública do Algarve

descrição

atelier

ficha técnica

descrição