IST - Tagus Park - PMA
1708
portfolio_page-template-default,single,single-portfolio_page,postid-1708,language-pt,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_over_content,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.4,vc_responsive

IST – Tagus Park

Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa

 

A intervenção da equipe projetista teve o seu início no “Concurso Público para a elaboração das instalações do Instituto Superior Técnico no “Campus do Tagus Park”, promovido pelo Instituto Superior Técnico no qual se obteve o primeiro lugar.
O concurso tinha como objetivo a elaboração de um plano de enquadramento para o lote e o estudo prévio dos edifícios da 1ª fase.
Os estudos desenvolvidos tiveram como base o programa preliminar das instalações, onde o I.S.T. definiu os objetivos, a estrutura organizativa, as necessidades e requisitos. O programa definia seis “setores” correspondentes a funções e requisitos distintos.
A solução apresentada define cinco edifícios distintos, interligados, em que cada um seria destinado a um dos setores:

– Setor Aulas Intensivas 13.447m²
– Setor Departamental/ Gestão 34.388m²
– Setor Estudantes 4.570m²
– Setor Biblioteca 14.538m²
– Setor Desportivo 7.929m²
– Setor Restauração 5.578m²

Desta forma, a primeira fase é formada por parte do edifício principal designado por “Edifício do Setor Gestão e Setor Departamental”, já construído (1ª fase), e pelo “Edifício do Setor Restauração” cujo projeto foi desenvolvido em 2010/11.
Solução Geral do Plano
A solução geral do Plano tem como caraterística principal um traçado regulador radial que se relaciona com as caraterísticas do terreno e a sua envolvente. Assim:
A rotunda, elemento orientador da solução, tem como centro o mesmo da curvatura da Rua Prof. Aníbal Cavaco Silva no seu troço central e encontra-se sobre a linha de visibilidade definida pela Câmara Municipal de Oeiras.
Com início neste centro são definidas linhas reguladoras radiais e circulares onde de uma forma organizada e funcional dão lugar a um vasto setor circular desenvolvendo-se desde a linha de visibilidade, a Norte, até ao limite Sul do terreno, junto à EN 249/3, dentro do qual se implantam radialmente os elementos fundamentais, em que se incluem, entre outros, edifícios e arruamentos.
Para os vários edifícios houve a preocupação de conseguir soluções enquadradas na morfologia do terreno tendo em atenção e tirando partido dos pendentes
Interligando todos os edifícios, para além dos percursos ao nível do solo, foi criada uma linha de trajetos pedonais, na maioria sobrelevados, possibilitando deslocações a coberto que evitam o atravessamento das artérias destinadas a viaturas.
Edifício do Setor Gestão e Setor Departamental
A solução apresentada baseou-se na criação de dois corpos curvilíneos com desenvolvimento paralelo que, no seu todo e face à sua dimensão constituem o elemento fundamental da solução geral do conjunto das instalações do I.S.T. no “Tagus Park”. O desenvolvimento paralelo dos dois corpos permite a criação, entre eles, de um espaço contínuo onde, ao longo do seu eixo longitudinal, localizamos as colunas de circulação verticais que, ligadas a um sistema de galerias de acesso aos diferentes andares, a um e outro lado, permitem que, sob o ponto de vista funcional, o conjunto dos dois corpos se comporte como um todo.
Os dois corpos têm altura correspondente a três pisos acima do solo, desenvolvendo-se sobre a “base” constituída pela cave de estacionamento que abrange a área dos dois corpos e do espaço central entre eles.
A zona central deste espaço, no eixo que interliga as duas entradas principais, foi pensada como um local de desafogo, propício a grandes concentrações de pessoas, bem como local de eventuais exposições ou outros eventos de caráter cultural ou pedagógico.
O facto de ser coberto e fechado nos topos faz deste espaço central uma zona de transição entre o exterior e o interior.
Como princípio básico de distribuição dos serviços, optou-se pela localização no Piso 0 dos que, pela sua natureza, implicam maior afluência de alunos, reservando-se para o Piso 1 os que já implicam menor afluência e para o Piso 2 as instalações departamentais onde se verifica um menor número de utentes.
Com esta distribuição, pretende-se que os alunos se concentrem preferencialmente no nível 0, correspondente ao Grande Átrio e no Piso 1, imediatamente acima, proporcionando um ambiente mais sossegado no piso superior, que corresponde aos núcleos departamentais com os gabinetes dos docentes, pós-graduados e catedráticos.
O espaço central, que dispõe de áreas ajardinadas ao nível do Piso 0, proporciona um ambiente livre do bulício dos arruamentos envolventes, inevitavelmente com a presença de inúmeros veículos.
Este edifício é constituído no seu todo por sete módulos, sendo que a 1ª fase já construída abrange cinco módulos. A sua construção foi feita por módulos sendo que o primeiro foi iniciado em 1998 e o quinto concluído em 2008.

Dono de Obra:

Instituto Superior Técnico

Universidade Técnica de Lisboa

Localização:

Campus Tagus Park

Oeiras

Área de intervenção:

Plano – 150 000m²

1ª Fase – 32.950m²

Área de Construção:

Plano – 77 800m²

1ª Fase – 28.950m²

Projeto:

1ª Fase – 1998

Conclusão da Obra:

1ª Fase Infraestruturas e Arranjos Exteriores 1998

1ª Fase – 2008

Programa:

“Concurso Público para a elaboração das instalações do Instituto Superior Técnico no Tagus Park”

Classificação: 1º classificado

1ª Fase – Edifício destinado às novas licenciaturas do Instituto, dispondo de Anfiteatros, Laboratórios de ensino e investigação, Biblioteca, Centro de Informática, Salas de Aula, Instalações Departamentais, Instalações para Gestão e Cafetaria.

Infra estruturas e Arranjos exteriores da zona do edifício construído.

Equipa:

Arquitetura

– Manuel Cottinelli Telmo Pardal Monteiro – Arquiteto

– João Cottinelli Telmo Pardal Monteiro – Arquiteto

– António Pedro Batista Pardal Monteiro – Arquiteto

– Paulo Vasco Silva Antunes – Arquiteto

– Frederico da Costa Barbosa – Arquiteto

– Ana Libório – Arquiteta

– Maria João Garrudo – Designer

– Susana Duarte Raposo – Arquiteta

– Amadeu Lourenço

– Rodrigo Moutinho

Fundações e Estrutura

– Paulo Reis – Engenheiro

Instalações e Equipamentos Mecânicos

– José Galvão Teles – Engenheiro

Instalação e Equipamentos de Águas e Esgotos

– Grade Ribeiro – Engenheiro

Instalação e Equipamentos Elétricos

– Silvino Maio / Lacerda Moreira – Engenheiros

Rede Viária

– Diâmetro

– Gonçalo Pardal Monteiro – Engenheiro

Paisagismo

– Bio Design

Segurança e Prevenção de Incêndios

– António Portugal – Arquiteto

Gestão Técnica Centralizada

– António Trindade – Engenheiro

Fotografia

– Fernando Guerra

Category

EDUCAÇÃO, CULTURA E INVESTIGAÇÃO